sábado, junho 20, 2009

Tudo Boas Raparigas - Louisa Merrifield

“Hoje em dia, cada vez é mais difícil, arranjar pessoal doméstico decente”. Era esta a lamúria ouvida com mais frequência em alguns lares da classe média em Inglaterra nos anos 50. Da mesma coisa se queixava Mrs. Sarah Rickets, uma velha viúva meio entrevada, de Blackpool, Inglaterra. As boas maneiras e o refinamento tinham-lhe passado ao lado e os seus hábitos pessoais eram no mínimo estranhos. A sua refeição favorita era misturar glicerina (sim, leram bem, glicerina) com compota de amora-silvestre e empurrar aquilo tudo pela goela abaixo com uma mistura de rum e uma garrafa de cerveja preta. Depois de ter colocado um anúncio num jornal local pedindo uma governanta, foi completamente inundada de respostas. Porém, bastaram a Mrs. Rickets apenas dois dias para se decidir em contratar Louisa Merrifield, uma mulher que, segundo ela, “tinha cara de bota da tropa” e cuja linguagem solta e ordinária, absoluta falta de educação e modos grosseiros lhe agradaram bastante. Louisa mudou-se para casa de Mrs. Rickets com um sujeito simplório a quem chamava marido e durante algumas semanas, todos pareciam muito felizes e contentes com aquele arranjinho, ao ponto de Mrs. Rickets ter alterado o seu testamento a favor de Louisa. Esta, contudo, começou a ficar farta dos caprichos e constantes bebedeiras da sua patroa e, assim que o novo testamento foi assinado e autenticado, ela decidiu dar um empurrãozinho à coisa. Com a conivência do alegado Mr. Merrifield, ela comprou veneno de ratos e começou a misturar quantidades generosas do mesmo, na compota que Mrs. Rickets comia alarvemente à colherada directamente do frasco todas as noites. É claro que, ao fim de alguns dias, a senhora foi desta para melhor e não tardou muito até Louisa ser apanhada e fechada na prisão de Strangeways, Manchester. Foi enforcada no dia 18 de Setembro de 1953, chorada por poucos e não tendo deixado grandes saudades.

7 comentários:

Alice Salles disse...

Mas que diabos de mulher é essa que come glicerina!? Essa aí era mais louca que a assassina! hahaha

roserouge disse...

Alice, também achei esquisito, fui ver à net e parece que a glicerina é um produto que, segundo a infopédia "... também designada de glicerol ou 1,2,3-propanotriol, é um álcool alifático trivalente de fórmula molecular CH2OH-CHOH-CH2OH..." blá blá blá... weird, I know...

Ví Leardi disse...

...Bé fantáticas esta tuas postagens...Acho que o novo livro de Jon Savage( que li de uma arrancada só)vai te interessar muito!! veja lá em "casa"... Beijos

roserouge disse...

Vou ver, Ví, obrigada!

pureza disse...

Mulherzinha esperta - até porque a senhora já não tinha muito amor à vida...

roserouge disse...

Por acaso até acho que estas mulherzinhas não são lá assim muito espertas. Fazem-me lembrar os palermas do "Fargo" dos irmãos Coen.

Dulcineia (Lília) disse...

Roserouge,
Ía comentar exactamente o que escreveste acima: mas afinal, são todas criminosas e estúpidas? Não haverá uma esperta? que leve tempo, muiito tempo para se deixar apanhar?
Noite tranquila, sem pesadelos com estas personagens...