segunda-feira, março 09, 2009

Homenagem Às Mulheres

Calçada da CarricheLuísa sobe,
sobe a calçada,
sobe e não pode
que vai cansada.
Sobe, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Saiu de casa
de madrugada;
regressa a casa
é já noite fechada.

Na mão grosseira,
de pele queimada,
leva a lancheira
desengonçada.
Anda Luísa,
Luísa sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Luísa é nova,
desenxovalhada,
tem perna gorda,
bem torneada.
Ferve lhe o sangue
de afogueada;
saltam lhe os peitos
na caminhada.
Anda Luísa,
Luísa sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Passam magalas,
rapaziada,
palpam lhe as coxas,
não dá por nada.
Anda Luísa,
Luísa sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.

Chegou a casa
não disse nada.
Pegou na filha,
deu lhe a mamada;
bebeu a sopa
numa golada;
lavou a loiça,
varreu a escada,
deu jeito à casa
desarranjada;
coseu a roupa
já remendada;
despiu se à pressa,
desinteressada;
caiu na cama
de uma assentada;
chegou o homem,
viu a deitada;
serviu se dela,
não deu por nada.

Anda Luísa,
Luísa sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Na manhã débil
sem alvorada,
salta da cama,
desembestada;
puxa da filha,
dá lhe a mamada;
veste se à pressa,
desengonçada;
anda, ciranda,
desaustinada;
range o soalho
a cada passada;
salta para a rua,
corre açodada,
galga o passeio,
desce a calçada,
chega à oficina
à hora marcada,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga;
toca a sineta
à hora aprazada,
corre à cantina
volta à toada,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga.
Regressa a casa
é já noite fechada.
Luísa arqueija
pela calçada.
Anda Luísa,
Luísa sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada,
sobe que sobe,
sobe a calçada,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Anda Luísa,
Luísa sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
António Gedeão - "Teatro do Mundo"Este post é dedicado a todas as "Luísas" desta vida. E não tem nada a ver com o dia de ontem, tem a ver com todos os dias. Cá em casa, celebra-se a Vida, todos os dias do ano.
Estas imagens foram gentilmente cedidas pela Pureza, uma portuguesa que vive no Rio de Janeiro.

8 comentários:

Eduardo P.L disse...

As imagens da Pureza são de uma beleza impar!
A sério!

expressodalinha disse...

Bonito mesmo!

pureza disse...

O poema é sen-sa-sio-nal. Já o conhecia mas, há muito tempo não o lia. As fotos são realmente lindas e, aquela notinha de rodapé é a tua marca.
Hoje comprei umas sandálias e lembrei-me de ti. Rasteirinhas, flexíveis, acompanhando o movimento do pé - leve, livre e solto. Neste calor, melhor do que isso, só as minhas havaianas.

GUGA ALAYON disse...

demais!

Georgia disse...

Bé, sensacional o poema e as imagens.

Perfeito.

Por que concorrência com o Expresso, ele também está falando sobre a Catedral em Colônia? Nao sabia. Acabei de vir do blog dele e nao achei nada por lá.

Um abraco

João Menéres disse...

Só agora cheguei às Luísas.
A subida da Calçada de Carriche já não é para as minhas canetas...
Tu hoje saíste-te muito bem, RR.
E estás a escrever muito bem.
Tens ido às aulas de Inglês Técnico?
-Só foste duas vezes?Ah, mas já tens o canudo!

peri s.c. disse...

Beleza !

Dulcineia (Lília) disse...

"a vida celebra-se todos os dias" - as imagens não nos deixam esquecer! de uma "pureza" crua