quarta-feira, abril 15, 2009

Tertúlia Virtual - O Prazer

De Qualquer Maneira
O marido de Peronella regressa a casa e ela esconde o amante num tonel. Ora o marido acabara de o vender, mas ela assegura tê-lo por sua vez vendido a um homem que está precisamente dentro dele a ver se está em bom estado. O indivíduo sai então do seu esconderijo, faz com que o marido raspe o tonel e acaba por levá-lo consigo.

Em Nápoles - a história é recente - um homem pobre casou com uma bonita e graciosa rapariga chamada Peronella (prazer). Ele tinha a profissão de pedreiro, ela fiava. Ganhava pouco e viviam um dia melhor, outro pior. Ora um belo rapaz reparou um dia na rapariga e gostou dela. Fez-lhe então uma corte tão insistente que conseguiu obter os seu favores (muito prazer). A maneira como se encontravam era esta: como o marido se levantava todas as manhãs muito cedo, a fim de ir para o trabalho ou a fim de o procurar, o conquistador andava ali por perto (também à procura, mas do prazer) a ver quando ele saía. A rua onde o casal morava que se chama Avorio, era muito solitária e por isso nada era mais fácil do que entrar então em casa. Tais precauções foram muitas vezes coroadas do maior êxito (o maior prazer por ali).
Ora numa manhã em que Giannel Stignario - assim se chamava o rapaz - entrara em casa da amante e lhe fazia companhia (mais uns bocadinhos de prazer), o marido, cuja ausência costumava durar o dia inteiro, regressou pouco depois de ter saído. Achou a porta fechada por dentro, bateu, e, enquanto batia, ia pensando: «Meus Deus, que o teu nome seja abençoado por todo o sempre! Fizeste-me pobre, mas, pelo menos, compensaste-me dando-me por mulher esta boa e honesta rapariga. Como ela correu o ferrolho logo que eu parti, a fim de que ninguém possa entrar e causar-lhe aborrecimentos!»
Peronella, que tinha ouvido o marido e reconhecido a sua maneira de bater, disse então:
- Ai de mim, Giannel, estou morta. É o meu marido, maldito seja, que voltou. Que quererá isto dizer? Nunca vem a casa a esta hora. Talvez te tenha visto entrar. Paciência. Por amor de Deus mete-te naquele tonel. Eu vou abrir a porta. Logo se verá por que razão voltou ele para trás.
Giannel saltou para dentro do tonel (raisparta, queres ver que fico hoje sem o meu prazer). Peronella foi então abrir a porta ao marido e disse-lhe de má catadura:
- Mas que novidade é esta de voltares assim para casa? Ao que vejo, não estás hoje para fazer nada e voltas com as ferramentas na mão. Por este andar de que vamos nós viver? Onde encontraremos pão? Se julgas que te deixo pôr a minha saia e as minhas outras roupas no prego estás muito enganado. Dia e noite não faço senão fiar - tanto que já nem tenho carne à volta das unhas - para que ao menos haja azeite suficiente na candeia. Homem, todas as vizinhas se espantam; troçam de mim e de tudo o que eu faço, de tudo o que eu suporto. E tu voltas-me de braços caídos quando devias estar na obra.

Dito isto Peronella desfez-se em lágrimas e prosseguiu:
- Oh! mas que desgraça a minha! Que sorte havia de ter! Em que má hora havia eu de ter nascido! Podia ter casado com um bom rapaz e não o quis por este indivíduo que não quer saber para nada da mulher. As outras divertem-se com os amantes - cada uma tem dois ou três - e mostram a Lua aos maridos, fazendo-os acreditar que é o Sol. Pobre de mim! Sou boa mulher e não é esse o meu género. É por isso que tenho uma pouca sorte assim. Mas porque não hei-de eu tê-los como as outras? Ouve, homem, estou a falar a sério. Se quisesse portar-me mal, achava forma para o meu pé. Não faltam por aqui bonitos rapazes que me acham a seu gosto e que me querem bem. Já me ofereceram dinheiro ou roupas e jóias se eu as preferisse. Mas não tenho disposição para isso porque a minha mãe educou-me de outra maneira. E tu voltas para casa quando devias estar no trabalho!
- Por Deus, mulher, não te rales tanto. Sei muito bem quem tu és, e ainda esta manhã me deste mais uma prova. A verdade é que fui à obra. Mas acho que também não estás ao corrente, como o que me aconteceu a mim. Hoje é dia de São Galeão e não se trabalha. Foi por isso que me vim embora. Mas não tem importância. Pensei em tudo e encontrei maneira de arranjar pão para mais de um mês. Estás a ver o homem que me acompanha? Vendi-lhe o tonel que nos enche a casa, tão grande é. Dá-me por ele cinco florins.
Peronella respondeu então:
- Muito bem, é o cúmulo. Tu és homem, andas por aqui e por ali. Devias saber o preço das coisas. E vendeste o tonel por cinco florins! Eu sou uma pobre mulher e por assim dizer nunca saio, mas, por causa do aborrecimento que nos causava em casa, vendi-o por sete florins a um freguês. Quando chegaste acabava ele de entrar para verificar se o tonel estava em bom estado.
O marido, ouvindo isto, não cabia em si de contente. Voltou-se para o homem que o acompanhava e disse-lhe:
- Vai com Deus, bom homem. Como já ouviste, a minha mulher vendeu-o por sete florins, quando tu só me oferecias cinco.
- Está bem, disse o indivíduo, afastando-se.

Disse então Peronella:
- Já que estás em casa, sobe e trata tu do negócio com o outro.
Giannel que estivera de ouvido alerta a fim de se preparar para qualquer perigo eventual, (não fosse ficar sem o seu prazer) quando ouviu as palavras de Peronella, fez de conta que não tinha dado pela chegada do marido e pôs-se a gritar:
- Onde estás, boa mulher?
O marido apresentou-se.
- Estou eu aqui. Que queres tu?
- Mas quem és? Quero é falar com a senhora com quem tratei do assunto do tonel.
- Podes falar confiadamente. Sou o marido dela.
- Pois bem, o tonel parece em bom estado, mas dir-se-ia que lhe puseram lá dentro porcaria de conserva. Está todo besuntado não sei de quê, mas de uma coisa tão seca que não consegui raspá-Ia com a unha. Não o levo antes de o limparem bem.
Peronella interveio:
- Ah, mas não é por isso que deixamos de fazer negócio. O meu marido vai limpá-lo bem.
- Claro, disse o marido.
Largou a ferramenta, pôs-se em mangas de camisa, mandou acender uma candeia e pediu à mulher uma raspadeira. Depois do que entrou no tonel e começou a raspá-lo. Peronella, como que para vigiar o trabalho, meteu a cabeça na abertura do tonel, que era bastante estreita e também o braço e até o ombro. E dizia:
- Raspa aqui, e ali. Atenção! Olha que acolá não ficou bem raspado.
Assim ela estava, dando conselhos e guiando o trabalho.
Ora nessa manhã, Giannel não satisfizera os seus desejos (o seu prazer) antes de o marido chegar. Vendo que seria difícil conseguir satisfazê-los, aproveitou a ocasião que a Fortuna lhe dava. Encostando-se à mulher que obstruía inteiramente a abertura do tonel, levou a bom termo o seu juvenil desejo, tal como se pode ver, nas vastas planícies, os garanhões abrasados de amor assaltarem as éguas partas (si si, cariño, fuerte, que prazer). Mais ou menos na altura em que teve plena satisfação, tudo estava limpo. Largou então a mulher, que levantou a cabeça, e o marido saiu do tonel. Peronella voltou-se para o amante:
- Pronto, bom homem. Pega na candeia e vai ver se está limpo a teu gosto.
Giannel examinou o interior, declarou que tudo estava bem e que se sentia contente. Deu os sete florins e mandou entregar o tonel em sua casa.

(As observações entre parentesis são da minha autoria) Giovanni Boccaccio (Paris, 1313 - Certaldo, 1375) foi um humanista renascentista do séc. XIV e é considerado ainda hoje um dos gigantes da literatura italiana. Detentor de uma actividade extraordinária, produziu uma obra extensa e variada (escrita tanto em latin, como em italiano), donde se destacam, entre outros, a verdadeira obra-prima da literatura Decameron, compilação de cem novelas narradas por dez jovens refugiados no campo devido à Peste Negra e de onde se extraiu esta história. O realismo das novelas deste livro transportam-nos para uma sociedade medieval riducularizada, em que impera o humor, a fantasia, a volúpia, a malícia e... o prazer.
John William Waterhouse - A Tale from the Decameron, 1916

32 comentários:

disse...

Bem pouco mudou!!!!
Brava.

Spark disse...

Uma coisa a dizer: Brilhante!!! De ti também só podia... ;)

BJS

Luis Bento disse...

é sempre um prazer revisitar boccaccio...

Al Kantara disse...

E por sete florins não se posia pedir mais. Um tonel bem raspadinho...

Al Kantara disse...

Errata : onde se lê "posia" deve ler-se "podia"

expressodalinha disse...

E foi sorte o "podia" não dar asneira! Excelente metáfora, Bé. Presumo que seja mais difícil com armários e prticamente impossivel debaixo da cama! Queres tentar...

Claire disse...

beijos

Olavo disse...

boccaccio..é sempre um prazer e foi gratificante ler aqui..
abraços

Menina do mar disse...

Rsrsrsrrssr :)
Adorei!

Maria Augusta disse...

Decameron é mesmo uma obra-prima, e este trecho muito divertido.
Abraços.

Vanessa disse...

Olá, tb estou na Tertúlia deste mês e vim conferir seu post. E que post!
Gostei daqui e pretendo voltar em breve.

Abraço

Compondo o olhar ... disse...

não conhecia tal texto... excelente!! parabéns pela bela participação desta blogagem coletiva.

bjocas

Susana disse...

Também não conhecia este texto. Não estará muito diferente dos dias de hoje...

Susana

Christi... disse...

Obrigada pelo prazer de conhecer tremenda história.

Bela participação

Bjs,

Chris

Conceição Duarte disse...

Minha mãe tinha o Decameron, muito linda sua postagem completa, complexa, maravilhosa!
Um beijo, CON

FaBiaNa GuaRaNHo disse...

Ótimo texto.
Boccaccio é sempre nota dez;
Praze em relê-lo.
Obrigada pelo comentário em meu blog.
Abçs

luzdeluma disse...

Obrigada pela apresentação do texto, não conhecia! Só fiquei a imaginar que raios é um tonel. Seria o mesmo, que hoje armazenam bebidas destiladas? Beijus

Serena Flor disse...

Estou tendo muito prazer em conhecer novos cantinhos e mais prazer ainda de estar participando desta tertúlia maravilhosa.
Belíssima participação...parabéns!
Beijos.

Francisco Castelo Branco disse...

Um texto com muito prazer..

Ou diria sexo?

Sexo é igual a prazer

Papagaio Mudo disse...

eita prazerzim do bão!

>>¨<<

Ery Roberto Correa disse...

Olá Rose! Foi uma aula fabulosa. Giovanni Boccaccio, explêndido.

Como disse a Vi, no primeiro comentário da série, "Bem pouco mudou!!!!" o que está a provar que o Decameron é atualíssimo.

Abração. Grato por sua visita.

Nana Odara disse...

Olá...
Estou aproveitando a tertulia pra divulgar meu manifesto...
Beijinhos de baunilha...

Manifesto Nana Odara

A Via do Prazer

Declaro
solenemente
à partir de agora
que todos os seres humanos
devem viver unicamente
pelo e para o prazer...
Esse é o meu manifesto
talvez a minha grande contribuição
para a humanidade...
a via do prazer...
Todas as mulheres
tem o direito e a obrigação
de viver em prazer...
até pq a repressão do prazer da mulher
é um dos pilares do patriarcado.
Somente através do seu prazer livre
e irrestrito a mulher pode
ajudar a construir um
novo modelo social
melhor
mais interessante...
Para isso é necessário
cessar já
todas as formas de violência
consentidas ou não
silenciosas ou não
punivéis por lei ou não
todas as formas de violência
contra a mulher
contra todas as mulheres...
O prazer
subjetivo por natureza,
o prazer de cada um,
o prazer de todos...
A um só tempo,
emitido e recebido
sorvido
degustado deliciosamente devorado
doravante
por nós, integrantes desse manifesto,
canibais do prazer,
ou seja la qual for a alcunha
que nos agraciará o futuro...
O Prazer como antídoto social à violência
Todo o prazer
pelo fim de
toda a violência...
Segundo a Dianética,
o Prazer é a força motriz que anula o medo.
Portanto somente através do prazer
podemos anular os efeitos todos
da maior arma patriarcal
fundamentado e sacramentado em medos,
a violência.
E nós, seres humanos,
estamos naturalmente vocacionados
destinados e aptos ao prazer,
o prazer nos guia para a vida,
enquanto todo medo é o medo da morte.
Neste 2009 , divisor de águas,
defina agora, de que lado vc está...
Ou vc alinha comigo
na Via do Prazer...
ou definhará eternamente
nos porões fétidos de um
moribundo patriarcado...
Eu, Nana Odara
instauro a Era do Prazer!
Sigam-me os bons
(de cama, inclusive...)

peri s.c. disse...

Ótima postagem, RR, parabéns pela escolha, pela edição, foi um prazer a Bocacciana leitura.

Eduardo Santos disse...

Olá amiga. Excelente naco de literatura, confesso que não conhecia, achei interessante e engraçado. Foi uma boa adaptação ao tema. Tudo de bom para si e até breve.

Maria disse...

PRAZER

Que prazer é este estacionado em tua mente,
Que me deixa fincada nessa gazua,
gelada
silenciosa.

OBRIGADA, PELO PRAZER DE ESTAR AQUI.

Jo. disse...

É, só no séc. XIV pra um marido acreditar numa história dessas, ou acreditariam ainda hoje??? Heheheee...
Também estou participando da tertúlia deste mês. Me visita, tá?

Georgia disse...

Aha! Mas eu já esperava algo assim por aqui, rs.

estávamos de férias de Páscoa...

Bjus e boa semana

Eduardo P.L disse...

Nossa SEXÓLOGA e suas mil histórias de PRAZER, AMOR e HUMOR!

Bjs

Eduardo P.L disse...

Bé,

respondendo sua pergunta, "de por que 700 kilómetros de carro?", porque minha passagem era para dia 18, e como a Glória resolver vir antes, tive que pegar a estrada! Aproveito sempre, para trazer um monte de telas para SP. Aqui tem menos umidade e mais possíveis interessados.... srsrs!
Bjs e obrigado pela visita!

António Oliveira disse...

Foi um prazer ler esta prosa.
A temática é boa e recomenda-se.
Please, Roserouge, escreve mais nesta onda. Foi assim que começou tudo e de certeza que vai acabar igualmente na horizontal. Não sei quem foi o primeiro, mas saiu de lá de papo cheio, de certeza.
Afinal, sem isto o mundo não tinha piada nenhuma.

Congrats.

roserouge disse...

O prazer foi todo meu em ter participado nesta tertúlia, como aliás todos os meses, e ter recebido a vossa simpática visita e comentários. Apareceram pessoas novas, com espaços igualmente fantásticos e que vou começar a frequentar. Beijos a todos.

nilda disse...

Mudou? Sei lá...
A visita ao seu blog me agradou tanto que voltarei sempre.
Beijoca.
Nilda.
http://meucantin5.blogspot.com/