segunda-feira, novembro 17, 2008

José Saramago


8 de Março de 1999, 8 horas da manhã. Sala de embarque do aeroporto de Lisboa e eu e a minha amiga Lurdes à espera dum voo para Madrid, donde depois seguimos para o México. José Saramago ia no mesmo avião, mas só até Madrid. Quando reparámos nele, a Lurdes pegou na máquina e foi-se pôr atrás duma coluna qualquer a tentar filmá-lo como quem não quer a coisa. Eu levantei-me da minha cadeira e, tranquilamente, perguntei-lhe: "Bom dia, o senhor incomodar-se-ia muito se eu e a minha amiga tirássemos uma foto consigo?" Resposta dele: "Claro que não, com todo o prazer!Tem máquina? Ó Pilar, não te importas de chegar aqui?" Fiz sinal à outra que ficou de boca aberta com tanto descaramento e que saiu disparada lá do esconderijo onde estava e snap, cá estamos nós com o único Nobel da Literatura Português. A foto foi tirada por Pilar del Rio, mulher de José Saramago e está autografada por trás. Um ano mais tarde, encontrei-o na Feira do Livro no Parque Eduardo VII em Lisboa, onde estava sentado a dar autógrafos, fui ter com ele, falei-lhe deste episódio, ele riu-se muito e disse que sim senhor, que se lembrava da foto no aeroporto. Eu não acreditei mas fiquei contentinha na mesma. Até hoje, nunca consegui ler um livro do Saramago até ao fim.

3 comentários:

expressodalinha disse...

Nem eu, desde o príncipio. Pelos vistos este não é o teu ídolo. Ainda bem. Garanto-te que tem uns enormes pés de barro. A lama pinga por todo o lado. De qq forma é uma nobel foto!

Alice Salles disse...

Eu não gosto de Saramago!!!! Nunca gostei, mas gostei do filme baseado na obra dele! Mas tão falando que o Meirelles fez diferentão mesmo, então deve ser isso!
Parabéns pela foto! Beijos

Eduardo P.L disse...

Bé,

que ótima história. O que importa é a foto e o autógrafo. Esses quem tem tem e quem não tem nunca mais terão. Agora o livro, sempre será tempo!