terça-feira, agosto 17, 2010

Um Pastel Em Belém

A exposição "Warhol TV", que inaugurou a 26 de Julho no Museu Berardo, mostra um outro lado de Warhol. Sem latas de sopa de tomate nem Marilyn colorida. Só ecrãs de televisão."Diga aos seus leitores que esta é uma exposição cool. Tem de ser vista com calma e tempo. É para se sentarem no sofá e verem tudo com atenção." Judith Benhamou, comissária da exposição, deixa o aviso e nós corroboramos: não vale a pena ir com pressa. "Warhol TV", mostra um lado de Andy Warhol que poucos conhecem. É que entre as décadas de 70 e 80, o artista plástico mais famoso dos EUA dedicou-se à criação e realização de programas de televisão.

Beleza, vaidade, sexo, talentos, processos de criação, eventos sociais, transformação. Cada sala tem um tema, ecrãs e sofás. Ao fundo, uma imagem em loop de Warhol a correr na direcção dos visitantes. Para montar esta exposição, Judith Benhamou mergulhou de cabeça nos arquivos do Museu Andy Warhol, em Pittsburgh, e nas memórias dos (poucos) colaboradores sobreviventes do artista. Nas suas investigações descobriu verdadeiras pérolas, como um anúncio da Coca-Cola light: "Andy Warhol fazia tudo, não tinha preconceitos. Ele estava apostado em construir um império económico e conseguiu." O resultado é um anúncio piroso, com Warhol inexpressivo, no meio de gente feliz, a beber Coca-Cola.

Numa outra sala, fechada em cortinas de veludo vermelho escuro, outra preciosidade: um episódio da série "Barco do Amor" onde Andy Warhol aparece como convidado. "Ele é péssimo a representar! Falei com o produtor da série e ele disse que trabalhar com ele foi um verdadeiro pesadelo, nunca sabia os textos, nem o que fazer", conta Benhamou.

Na exposição pode ver-se também excertos do último "Andy Warhol's 15 Minutes", o programa da MTV criado e apresentado por si, com um último episódio inteiramente dedicado a Warhol, aquando da sua morte, com imagens do seu funeral. No entanto, esta não será a última imagem que irá ver: "Não queria que a exposição acabasse de forma triste", explica a comissária. Assim, a última obra a ser exibida é um videoclip que Warhol fez para os "The Cars".

Cinema

O que esta exposição não mostra - já que se concentrou apenas nas criações televisivas de Warhol - é o lado cinematográfico, obscuro e artístico de Warhol. Começaram por ser horas de imagens gravadas de pessoas a fazer coisas tão simples como dormir ("Sleep", 1963), beijar ("Kiss", 1963/64), a cortar o cabelo ("Haircut", 1963) ou a ter sexo oral ("Blowjob", 1964). Warhol gostava de ver, sem interferir. Era o oposto de um realizador, já que com os seus filmes não tentava mostrar a sua visão: ele era um voyeur e a câmara os seus olhos. As imagens eram gravadas a preto e branco e depois exibidas em slow motion. Mais tarde, os seus filmes passaram a ter guiões. "Chelsea Girls" e "Couch" são exemplos disso. Guiões loucos que raramente passavam de indicações de acção e eventuais diálogos. Os actores eram todos os que gravitavam em redor de Warhol. Os proscritos da sociedade, travestis, drogados, deprimidos e aspirantes a artistas, que encontravam em "The Factory" o ateliê de Andy, uma espécie de casa. Havia drogas e sexo para todos e Warhol alimentava a sua carreira com os impulsos mais negros dos outros.

Fonte: ionline.
Até 14 de Novembro. Fui ver e gostei muito. Vão ver.

3 comentários:

Eduardo P.L disse...

Gostei do post! Do assunto! Mas não tenho muita paciência para ficar sentado numa sala de museu por mais de três minnutos.... srsrs

João Menéres disse...

RR

Se em Novembro for a Lisboa...arranjo meia hora para ficar sentado!

Um beijo.

roserouge disse...

Eduardo, são várias salas com televisões e todas a passarem coisas diferentes. E tudo muito anos 80, a maquilhagem, as roupas, a música, a atitude em geral. Não dá para enjoar...rsrsr

João, livra-te de cá vires a Lisboa e não me ligares para tomarmos um café... e meia-hora não chega para ver tudo! Bj.