sexta-feira, agosto 20, 2010

The Eye Of Jazz

Herman Leonard, o norte-americano conhecido como o fotógrafo do jazz, morreu no sábado, em Los Angeles, aos 87 anos. Fotografou Ellington, Gillespie, Davis ou Fitzgerald e o seu lema era: “Above all, enjoy the music”. Leonard começou a sua carreira nos anos 1940 por ser amante da música jazz - como não tinha dinheiro para entrar nos clubes de Nova Iorque (como os Royal Roost, Birdland ou Bop City) foi através da fotografia que conseguiu assistir a concertos. Viveu em Nova Iorque, depois em Paris, e fotografou todos os nomes importantes do jazz. Captou para a posteridade Dexter Gordon, Charlie Parker, Dizzy Gillespie, Billie Holiday, Duke Ellington, Miles Davis, entre outros. Durante algum tempo foi o fotógrafo pessoal de Marlon Brando, e também fotografou para a revista “Playboy” norte-americana. Uma das fotografias mais famosas do autor e um dos melhores retratos de Herman Leonard mostra a cantora Ella Fitzgerald a cantar em Paris em 1960, com os olhos fechados e em absoluta concentração, com uma gota de suor a descer-lhe pelo pescoço. Em 2005, o fotógrafo perdeu grande parte dos seus bens por causa do furacão Katrina que atingiu a sua casa em Nova Orleães e destruiu mais de 8 mil fotografias. Mas os negativos foram salvos, pois estavam depositados no Ogden Museum of Southern Art. O fotógrafo trabalhava agora com o músico Lenny Kravitz. Leonard (6/Março 1923 – 14/Agosto 2010) é autor do livro “The Eye of Jazz” (editora Viking) e de “Jazz” que será publicado em Novembro pela Bloomsbury nos Estados Unidos.
Fonte: Público.

Este post foi integralmente copiado, com a devida autorização do dono, do excelente Disto e Daquilo, aqui mesmo ao lado.

5 comentários:

El Matador disse...

Faz lembrar o Ian Anderson dos Jethro Tull.

roserouge disse...

Olha, pois faz. Nem tinha reparado. Muito bem visto!

Quase Blog da Li disse...

Excelente indicação Disto e Daquilo !
Beijo Roserouge

raulluar disse...

Bela vida que teve este amigo. Fico com o chamado "inveja positiva" pelos momentos e ambientes que ele presenciou.
Não se esqueçam dos back ups,pois como rareiam os negativos nestes dias,o back up é amigo das nossas memórias digitais:)

peri s.c. disse...

Viveu bem o gajo.
Invejável seu trabalho : exercia sua profissão ao som de bom jazz.