domingo, setembro 06, 2009

Tempos Modernos

Devo confessar que desaparecer do meu próprio blogue durante uma semana e deixar aquele gadelhudo feioso e mal vestido ali em baixo como cartão de visita é dum profundo mau gosto. Eu sei, pequenos, eu sei. Até a mim me faz confusão. Como é que eu fui capaz de fazer uma coisa destas!? Mas o que querem que vos faça, hein?! Não tenho tido muita paciência para fazer posts, à noite quando chego a casa não me apetece sequer olhar para o computador, não faço outra coisa o dia inteiro. Passo o tempo todo a conferir números, códigos, referências e outros hieróglifos para os quais tenho pouca sensibilidade. Uma violência! Sou uma mulher de letras, não de ciências. Muito menos, exactas. Estou ali pelo só pelo dinheiro, que até é bem razoável. Chega para pagar a prestação da casa, as contas do costume e, se não me esticar muito, posso voltar aos concertos e a jantar fora com os amigos de vez em quando. Talvez uma viagenzita nas férias que é coisa que já não faço há dois anos e que me está a deixar cheia de nervos. Sinto-me como uma operária fabril numa linha de montagem, com horários para tudo, menos para sair ao fim da tarde. Só falta a sirene a apitar para marcar o compasso. E o trânsito na maldita 2ª Circular já começou a engrossar, nem quero ver quando vier o Inverno e a chuva. E o Prior Velho é um sítio medonho, que não interessa nem ao Menino Jesus. Gosto mesmo é da casa dos frescos do Sr. José, uma lojinha pequenina integrada no mercado lá da zona, que tem os melhores vegetais e a melhor fruta do mundo. N'outro dia comprei lá um melão gigantesco, tive que o arrastar para dentro do carro, e ao chegar a casa despachei logo quase metade, que maravilha! É claro que depois passei o resto da noite a fazer xixi, mas que me soube pela vida aaaah, lá isso soube! E também por lá tem uns supermercados daqueles que anunciam na televisão e ao entrar lá, é como se entrasse directamente em África. Sem passar pela casa da partida. As lojas mais giras são uma farmácia e uma loja de decoração que pertence a uma "motard" engraçadíssima que vai às concentrações de Faro e tudo. Também tem um cabeleireiro, com os serviços básicos que nós, mulheres, tanto apreciamos e necessitamos: mãos, pés, depilações, etc. E tem também uma tabacaria com jornais e revistas e onde meto o Euromilhões, que a esperança é a última a morrer. Camarate fica logo ali, já sei onde caíu o avião do Sá Carneiro. O aeroporto de Lisboa também fica ali perto, sempre que saio à rua, está um avião a aterrar por cima da minha cabeça. Bonito. As minhas colegas são umas queridas, têm-me ajudado imenso e farto-me de falar a contar-lhes os meus disparates. Elas riem-se muito. E o chefe pergunta-lhes se estou a adaptar-me bem. Elas respondem "ah sim sim, ela é muito divertida, super boa onda"... E ele torna a perguntar: "Tá bem e o trabalho? Quero saber é como é que vai o trabalho. Ela está a atinar ou não?" E elas dizem que sim, que estou a integrar-me muito bem. Falácias, isso sim. Eu tinha que vos chatear com esta conversa, estava aqui entalada. Se o mundo não se adapta a nós, temos que nos adaptar a ele. Amanhã à hora de almoço vou comprar mais um melão daqueles, pêssegos e figos. O trabalho é a liberdade? Os tomates do padre Inácio, isso sim!

8 comentários:

Caçador disse...

Mas dá saúde. Dizem...

Quase Blog da Li disse...

Roserouge,
fiquei babando só em pensar no melão...
Cheguei a falar com meus botões: esta reclamando de que, com um melão daqueles e depois, os pêssegos e os figos....aiai os figos. Reclama de barriga cheia!
...
Perdão, é que bateu uma saudade da santa terrinha; da cereja fresca no pé, dos alfaces, da tia Ana, da Nela, da Fina na Amadora, do Mindo em Chelas , ai jisus!!!
Adorei teu desabafo.
Matou minha saudade.
Boas frutas pra vc
e
como minha sábia e amada vózinha luzitana dizia: "Farta-te pinto,
é dia de boda!
beijos
li

roserouge disse...

Bem, ó Caçador, então se dá saúde, que trabalhem os doentes... (esta é mázinha, eu sei...)

Li, o melão do homem é mesmo inacreditável. Há muito tempo que nao comia melão tão bom. Vou lá comprar um todos os dias e guardar em casa. E os figos? Ai, adoro figos!

Menina do mar disse...

Ah! De volta!!! Saudades!!!
Bjos

Ví Leardi disse...

Rose delicia ler este teu texto espontâneo que nos leva para dentro deste teu momento...Já sabemos pois, a esta altura, que a vida é feita deste sobe e desce...mas manter este espírito e tirar o melhor das situações e continuar a sonhar ,não é para todos...felizmente,me parece, o é para ti !!Além do melão,acabamos sempre por optar "colher" o positivo o que só nos soma...! Sucesso querida e um grande beijo...!!!

PAULO LONTRO disse...

Pelo menos mantens o sentido de humor!
Podia ser pior...
:)

roserouge disse...

Obrigada, querida Ví. Como dizia o outro: "a vida é como os interruptores: umas vezes para baixo, outras vezes para cima". Ter arranjado este trabalho, foi uma sorte inesperada. Não me posso queixar, até fica feio. Mas posso rir-me, ai lá isso posso!

Lontro, fui educada a rir. Felizmente. Não nos podemos levar muito a sério, fica ridículo e pretensioso demais. Para além duma notória pobreza de espírito. Fazer o quê? Já fiz tanta coisa na vida, esta é mais uma. E sempre vou tendo mais umas histórias para contar...

pureza disse...

Muito bom o teu texto, gostoso de se ler esta tua nova imagem e as tuas descobertas. Parece uma adolescente entrando na vida adulta e gozando, como se já soubesse o endereço de tudo...